MES-IDW     INJET  INLINE  INSERT

 


Módulo Ishikawa e 5W2H

O módulo de Ishikawa e 5W2H (what, why, when, who, where, how e how much) são ferramentas da qualidade utilizadas para estruturar, padronizar e socializar o conhecimento tácito em explicito, devendo ser aplicado na solução dos problemas que caracterizam as perdas no processo de fabricação. As perdas num processo de fabricação (como por exemplo as máquinas cíclicas, como injetoras, tornos, centro de usinagem e outras), podem ser definidas como sendo por: deficiência de ciclo (ciclo produtivo maior do que o planejado); refugo e parada não programada. No módulo básico temos a ferramenta da qualidade para classificação dos principais tipos dessas perdas, que é o gráfico de pareto, onde se apresenta a classificação quantitativa de cada tipo de perda numa ordem decrescente, para que se possa definir o foco de prioridade na execução das ações corretivas e preventivas das principais perdas. O gráfico de pareto nos oferece uma definição da conhecida relação, em que 20% dos maiores tipos de perdas representam, em geral, 80% do total de todas as perdas mensuradas. A eficácia e efetividade dessas ações dependem da padronização e socialização dos conhecimentos obtidos e comprovados na prática pelos resultados medidos através do gráfico de histograma.

Os tipos de perdas que são ordenadas no gráfico de pareto têm as suas principais causas identificadas e classificadas por similaridades de origem das razões de suas ocorrências no gráfico de Ishikawa (espinha de peixe), e essa classificação é denominada de 6Ms (Matéria-Prima, Medida, Máquina, Meio Ambiente, Mão de Obra e Método). A descrição do procedimento corretivo e preventivo de uma causa classificada num dos 6 Ms, é feita baseada no padrão 5W2H (What - o que; Why - porque; Where - onde;  When - quando; Who - quem; How - como; How much - quanto custa) que deverá conter no mínimo a descrição detalhada de todas as tarefas e a sua seqüência cronológica de implementação para eliminar a perda, bem como atribuir para cada tarefa a área produtiva responsável pela sua execução. Também temos o gráfico de histograma das ocorrências de um tipo de perda, que nos permite medir a eficácia (a diminuição da quantidade de perdas) e efetividade (a não recorrência da perda) das ações corretivas implantadas. A metodologia de utilização dessas ferramentas da qualidade é fundamental para a implantação da Gestão do Conhecimento na gestão de melhoria contínua do processo produtivo.

Top